sicnot

Perfil

País

Preço dos imóveis no centro histórico de Lisboa subiu 10% no 2º semestre de 2016

O preço dos imóveis no centro histórico de Lisboa aumentou 10% no segundo semestre de 2016 face ao semestre anterior, "continuando o percurso de clara valorização registado ao longo do ano", segundo o índice da Confidencial Imobiliário.

"No total do ano 2016, o preço dos imóveis subiu 19% quando comparado com o ano anterior", revelou a Confidencial Imobiliário, com base nos dados do Índice de Preços do Centro Histórico de Lisboa (IPCHL), que integra as freguesias lisboetas da Misericórdia, Santa Maria Maior e São Vicente.

De acordo com dados do índice, no primeiro semestre de 2016, o preço dos imóveis no centro histórico de Lisboa subiu 8%."Esta tendência crescente verifica-se já há cinco semestres sem interrupção, resultando numa subida de 46% nos preços nos últimos dois anos (no acumulado entre o segundo semestre de 2014 e o segundo semestre de 2016)", apurou a Confidencial Imobiliário.

Segundo o índice IPCHL, o centro histórico lisboeta tem valorizado "a um ritmo mais elevado que a totalidade da cidade de Lisboa", que nos dois últimos anos apresentou uma valorização acumulada de 36% nos preços do imobiliário. Em 2016, foram transacionados 2.267 imóveis no centro histórico de Lisboa, "num volume de investimento ligeiramente acima dos 700 milhões de euros", indicou a Confidencial Imobiliário, esclarecendo que o volume de investimento apurado inclui a venda quer de prédios quer de frações, reabilitados ou por reabilitar, nas áreas de habitação, retalho e serviços.

Para o diretor da Confidencial Imobiliário, Ricardo Guimarães, "a valorização mais forte observada no centro histórico deve-se, em parte, à forte procura por investimento nesta zona da cidade, onde se denota um robusto crescimento de projetos com usos turístico e de comércio e um crescente pendor de procura internacional".

A Confidencial Imobiliário é uma empresa independente, especializada na produção e difusão de indicadores de análise do mercado imobiliário, detendo índices e bases de dados sobre investimento e sobre os mercados de compra e venda e de arrendamento de fogos, com detalhe à freguesia.

Lusa

  • Governo quer que avaliação fiscal dos imóveis seja feita pelas autarquias
    3:18

    País

    A proposta do Governo para a descentralização não conta com o apoio da esquerda parlamentar e esbarra também na rejeição das próprias autarquias em relação à transferência de competências em alguns setores. Uma das medidas mais polémicas é a que prevê que os municípios passem a fazer a avaliação fiscal dos imóveis.

  • IMI nas mãos das autarquias

    País

    A avaliação do valor patrimonial dos imóveis deverá passar a ser competência das câmaras municipais. É uma das medidas previstas no diploma que põe em marcha a descentralização e que o Governo enviou esta quarta-feira para o parlamento.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.