sicnot

Perfil

País

PS equipara novos produtos de tabaco a cigarros tradicionais mas rejeita proibições ao ar livre

O PS quer equiparar os novos produtos de tabaco, como o tabaco aquecido, aos cigarros tradicionais quanto às restrições de locais onde se pode fumar, no âmbito da lei em debate no Parlamento.

A proposta de lei do Governo em debate na comissão parlamentar de Saúde, no grupo de trabalho sobre tabaco, prevê a equiparação dos novos produtos de tabaco aos cigarros tradicionais e a proibição de fumar junto de hospitais ou escolas, entre outros locais.

Segundo as propostas de alteração hoje debatidas no grupo de trabalho, PS e Bloco de Esquerda não querem que seja proibido fumar ao ar livre, seja onde for, e querem eliminar a norma da proposta de lei.

PS e Bloco têm posições convergentes, o PCP tem propostas de alteração da lei e PSD e CDS/PP estão contra a "alteração precoce" da última lei e acham uma precipitação a proposta do Governo.

Os dois partidos não apresentaram propostas de alteração e não dizem como vão votar.

"A proposta do PS equipara o consumo de cigarros tradicionais aos novos produtos de tabaco no que respeita aos locais de consumo onde possa incomodar-se terceiros", ainda que não haja uma evidência do impacto dos novos produtos de tabaco na saúde pública, disse hoje a deputada socialista Maria Antónia Almeida Santos, no grupo de trabalho sobre tabaco.

Apesar de a deputada socialista Isabel Moreira ter apresentado uma proposta de alteração da lei na qual não equipara os novos produtos de tabaco, Maria Antónia Almeida Santos disse que a posição do PS é que onde é proibido fumar cigarros tradicionais também o será para novos produtos como o tabaco aquecido.

Quanto à segunda alteração substancial da lei disse: "não pode haver proibição de consumir cigarros" junto a portas e janelas de determinados edifícios (como hospitais) e "cai" a proposta do Governo de criar um espaço sem fumadores de cinco metros à volta desses locais.

Moisés Ferreira, do Bloco de Esquerda, também considerou que proibir o consumo ao ar livre era proibir um ato que é lícito, não cabendo ao Estado "impor modelos de comportamento quando não está em causa a proteção de uma terceira pessoa".

Na reunião de hoje o PCP, pela voz de João Ramos, também apresentou sugestões de alteração da proposta de lei, como a comparticipação progressiva dos medicamentos para deixar de fumar e medidas de não discriminação dos fumadores.

E a deputada socialista Isabel Moreira reiterou que é contra a equiparação entre "cigarros normais" e novos produtos e disse que há estudos suficientes que mostram que esses novos produtos, como o tabaco aquecido, "são muito menos prejudiciais".

A proposta de lei, disse, entre o excelente (não fumar) e o menos mau (novos produtos) "não aceita o menos mau", ao contrário do que já fez a Inglaterra e a França e se preparara para fazer o Canadá.A próxima reunião ficou marcada para dia 27 de abril.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.