sicnot

Perfil

País

Aqui vou eu para a Costa

Na margem sul, há uma ciclovia que leva à Caparica quem chega de barco à Trafaria

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

Ricardo Rosa

Jornalista

O retrato de uma viagem entre o centro de Lisboa e a Costa de Caparica. Sem descapotável pela ponte, mas com cabelo a voar… de bicicleta.

“O calor abrasador e a pressa de chegar”, cantavam os Peste & Sida. Não tarda, verão adentro, as filas de trânsito na ponte 25 de Abril vão continuar ao fim de semana, quando os lisboetas procurarem os praias da Costa. Eis uma alternativa

“É o melhor percurso para o jovens irem para a praia, a partir do momento em que estão de férias, e de forma autónoma, sem os pais: atravessarem o rio no ferry da Transtejo e irem para a Costa de bicicleta porque têm ciclovia mesmo até à costa”.

O convite de Ana Santos, professora da Faculdade de Motricidade Humana, estende-se a toda da família. E a qualquer tipo de bicicleta, incluindo as elétricas.

Pedalar é uma atividade física, faz bem à saúde, já se sabe, e pode ser uma alternativa para viagens diárias, complementada com o uso de transportes públicos, como o comboio ou o barco, no caso da travessia do Tejo.

São estes os principais objetivos do projeto “Dar a Volta”, idealizado por Ana Santos, que vai pedalar por todo o país e que partiu para a estrada recentemente - aliás, neste fim de semana continua entre Setúbal, Sines e Odemira. O percurso de Lisboa à Costa da Caparica fez parte da primeira etapa, a 26 de abril, que a SIC também experimentou, de bicicleta, até Setúbal (nota: a segunda parte a viagem será aqui relatada amanhã).

As obras no Eixo Central são exemplo recente da expansão da rede de ciclovias na capital, cada vez mais focada no dia-a-dia, além do lazer. “Demorei menos de casa até aqui do que teria demorado se viesse de automóvel”: de Telheiras ao Marquês de Pombal, o secretário de Estado da Juventude e Desporto contou menos de 15 minutos, em hora de ponta - “e sem grande esforço”. “De carro nunca demoro menos de 22 ou 25 minutos, de casa à Secretaria de Estado (Av. 5 de Outubro)”. João Paulo Rebelo foi um dos decisores políticos que fez parte desta etapa inaugural.

Partida simbólica do Marquês de Pombal (tal como a 1ª Volta de Portugal, há 90 anos), o pelotão desceu pela lateral da Avenida da Liberdade, que é marcada como via partilhada e com limite de velocidade a 30km/h. Dos Restauradores à Praça do Comércio não há ainda nenhuma delimitação exclusiva às bicicletas, que neste caso circulam a par do restante tráfego.

O percurso na cidade de Lisboa foi feito com escolta policial (também de bicicleta)

O percurso na cidade de Lisboa foi feito com escolta policial (também de bicicleta)

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

“Há uma ligeira incongruência”, aponta Ana Santos. Já da zona do Cais do Sodré até Belém, há uma ciclovia “bem marcada”, ainda que com algumas diferenças no piso e “interrompida” na Doca de Santo Amaro - aqui é obrigatório “desmontar” e levar a bicicleta à mão ao passar os restaurantes.

Opção para se chegar ao Cais do Sodré e evitar pedalar entre os automóveis pode ser o Metro, que permite o transporte gratuito de bicicletas, com algumas condições - e levá-las de barco para a outra margem também não custa mais que um bilhete normal, ainda que a Transtejo também imponha algumas restrições na maior parte das ligações.

Na ciclovia da Frente Ribeirinha, entre Alcântara e Belém

Na ciclovia da Frente Ribeirinha, entre Alcântara e Belém

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

Do Cais do Sodré a Belém são cerca de 5,5km, planos, que não demorarão mais de meia hora a pedalar a uma velocidade de passeio. O ferry que parte da estação fluvial de Belém, junto ao novo MAAT, leva-nos à Trafaria noutros 25 minutos. E daí em diante há mais 4km até à Praia de Santo António, com pouca inclinação e sempre em ciclovia (que continua delineada à beira mar até à chamada Nova Praia).

Com alguma "ginástica", as bicicletas passam por um torniquete especial na estação fluvial de Belém

Com alguma "ginástica", as bicicletas passam por um torniquete especial na estação fluvial de Belém

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

À chegada à Trafaria

À chegada à Trafaria

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

“É uma via segura, apesar de já não ter manutenção há muito tempo”, diz a professora. Há alguns troços deste percurso com ar abandonado, buracos no pavimento ou demasiada areia. “Mas mesmo em estrada é um percurso seguro”, garante Ana Santos. A ciclovia vira para as praias junto ao Parque Urbano - “é um caso raro de boa sinalização vertical” -, mas é possível continuar em frente e em segurança pela estrada, que tem duas vias para cada sentido, até à saída da localidade.

Daí em diante, rumo à Fonte da Telha, a estrada fica mais estreita e com bermas em mau estado - ou ocupadas por carros estacionados no verão. Em dias de maior afluência às praias, esta parte do percurso reserva-se assim aos mais experientes no uso da bicicleta em meio urbano. Para estes, os mais afoitos, há um brinde: um atalho por uma estrada florestal interdita ao trânsito, que atravessa a Mata Nacional dos Medos.

Na Mata Nacional dos Medos, na Costa de Caparica, numa estrada florestal onde não passam carros.

Na Mata Nacional dos Medos, na Costa de Caparica, numa estrada florestal onde não passam carros.

Ricardo Rosa

Bicicletas para todos, todos de bicicleta

A Faculdade de Motricidade Humana aproveitou o pretexto da primeira etapa de “Dar a Volta” para mostrar dois modelos especiais de um projeto de ciclismo inclusivo. “O que nós queremos é um percurso seguro por Portugal fora, que dê para todos”, disse Ana Santos à SIC.

Um desses modelos é adaptável a uma cadeira de rodas. Para paraplégicos, o movimento da pedalada é feito pelos braços, com assistência elétrica.

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

Numa bicicleta tandem (de dois lugares), andou a atleta paralímpica invisual Odete Fiúza, conduzida por uma segunda pessoa.

Joel Canavilhas e Isabel Oliveira

A atleta acabou por ser vítima de um dos “pontos negros” assinalados no percurso, caindo após passar um degrau no meio da ciclovia da frente ribeirinha de Lisboa. Apesar do aparato da queda, nada mais aconteceu:

Sem pudores, o grupo de seis investigadores que leva a cabo esta volta a Portugal usa bicicletas elétricas. O motor só funciona quando se está a pedalar, mas o esforço é menor. “Porque não se chega transpirado ao local de trabalho, porque resolve o problema de quem tem percursos com subidas”, uma opção a considerar em deslocações diárias para percursos maiores ou com maior declive.

Vai uma volta?

Ciclovias assinaladas a azul

Ciclovias assinaladas a azul

opencyclemap.org

Este domingo, o site da SIC Notícias publica a segunda parte do relato da primeira etapa de Dar a Volta, até Setúbal.

  • Pedalar a par de carros e camiões

    País

    Fomos de bicicleta de Lisboa a Setúbal e grande parte do caminho foi feito pela Nacional 10, estrada com bastante movimento. Ainda assim, ninguém se sentiu inseguro. E ninguém nos buzinou.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC