sicnot

Perfil

País

PSD desafia Governo a fazer reforma da Segurança Social e "não remendos"

ANT\303\223NIO COTRIM

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, desafiou hoje o Governo a fazer uma verdadeira reforma da Segurança Social e não apenas "remendos", com António Costa a convocar todos os partidos para este debate, incluindo o PSD.

Dois dias depois de o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, ter admitido a definição de novas formas de financiamento da Segurança Social no Orçamento do Estado para 2018, Luís Montenegro introduziu o tema no debate quinzenal no parlamento.

"Neste domínio, o debate exige máxima seriedade e respeito pelas pessoas, atuais e futuros pensionistas. O senhor primeiro-ministro não tem tratado bem este tema, umas vezes com desdém, outras com inusitada demagogia, outras com eleitoralismo", criticou Montenegro.

O líder parlamentar social-democrata salientou que o PS recusou um desafio do PSD, feito durante a campanha eleitoral, de um acordo de princípio sobre o tema, bem como a proposta do partido de criação de uma comissão eventual para tratar apenas da sustentabilidade da segurança social.

"O eleitoralismo veio depois quando este primeiro-ministro e esta maioria trouxeram no último Orçamento do Estado um aumento extraordinário das pensões, imagine-se a um mês das eleições autárquicas", criticou, questionando se o Governo "quer deixar de ser um governo de remendos e passar a ser um governo de reformas" neste setor.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, reiterou a necessidade de encontrar outras formas de financiamento da Segurança Social, além do trabalho.

"Estamos a discutir, também com iniciativas de outros partidos nesta Assembleia da República, outras formas de financiamento (...) E para isso todos estamos convocados, o PSD naturalmente também está", desafiou.

António Costa acusou o anterior executivo de ter feito, com as suas políticas, um ataque sem precedentes à Segurança Social: "A emigração, a destruição de empregos e a redução de salários foram o mais forte ataque à sustentabilidade que a Segurança Social sofreu nos últimos anos".

O primeiro-ministro acusou ainda o anterior executivo de ter pretendido cortar 600 milhões de euros nas pensões a pagamento, argumento que Luís Montenegro classificou como ficção.

No debate, Montenegro e Costa trocaram ainda argumentos sobre a descida do desemprego, com o líder parlamentar do PSD a defender que os resultados atuais - que classificou como "boa notícia" se devem às reformas nas políticas laborais feitas pelo anterior Governo.

"É preciso tirar uma lição. As reformas estruturais e estratégicas produzem resultados e não devem ser abandonadas. Esperemos que os gritos daquelas bancadas não sejam tais que o primeiro-ministro as venha a adulterar", alertou, numa referência implícita às bancadas de BE, PCP e Verdes.

O primeiro-ministro respondeu que a criação líquida de emprego atual é "a maior desde 1998" e lembrou palavras do líder do PSD, Pedro Passos Coelho, de que a política do executivo socialista tinha conduzido, em meados de 2016, à destruição de postos de trabalho.

"Há aqui um problema lógico: as medidas foram tomadas antes deste Governo, depois houve destruição de emprego e agora houve criação de emprego não fruto da ação deste Governo mas do anterior?", questionou, defendendo que o atual Governo conseguiu provar que "fazendo o contrário" do modelo anterior de "baixos salários e destruição de direitos" conseguiu criar mais postos de trabalho.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado emitido hoje, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28