sicnot

Perfil

País

PSD desafia Governo a fazer reforma da Segurança Social e "não remendos"

ANT\303\223NIO COTRIM

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, desafiou hoje o Governo a fazer uma verdadeira reforma da Segurança Social e não apenas "remendos", com António Costa a convocar todos os partidos para este debate, incluindo o PSD.

Dois dias depois de o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, ter admitido a definição de novas formas de financiamento da Segurança Social no Orçamento do Estado para 2018, Luís Montenegro introduziu o tema no debate quinzenal no parlamento.

"Neste domínio, o debate exige máxima seriedade e respeito pelas pessoas, atuais e futuros pensionistas. O senhor primeiro-ministro não tem tratado bem este tema, umas vezes com desdém, outras com inusitada demagogia, outras com eleitoralismo", criticou Montenegro.

O líder parlamentar social-democrata salientou que o PS recusou um desafio do PSD, feito durante a campanha eleitoral, de um acordo de princípio sobre o tema, bem como a proposta do partido de criação de uma comissão eventual para tratar apenas da sustentabilidade da segurança social.

"O eleitoralismo veio depois quando este primeiro-ministro e esta maioria trouxeram no último Orçamento do Estado um aumento extraordinário das pensões, imagine-se a um mês das eleições autárquicas", criticou, questionando se o Governo "quer deixar de ser um governo de remendos e passar a ser um governo de reformas" neste setor.

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, reiterou a necessidade de encontrar outras formas de financiamento da Segurança Social, além do trabalho.

"Estamos a discutir, também com iniciativas de outros partidos nesta Assembleia da República, outras formas de financiamento (...) E para isso todos estamos convocados, o PSD naturalmente também está", desafiou.

António Costa acusou o anterior executivo de ter feito, com as suas políticas, um ataque sem precedentes à Segurança Social: "A emigração, a destruição de empregos e a redução de salários foram o mais forte ataque à sustentabilidade que a Segurança Social sofreu nos últimos anos".

O primeiro-ministro acusou ainda o anterior executivo de ter pretendido cortar 600 milhões de euros nas pensões a pagamento, argumento que Luís Montenegro classificou como ficção.

No debate, Montenegro e Costa trocaram ainda argumentos sobre a descida do desemprego, com o líder parlamentar do PSD a defender que os resultados atuais - que classificou como "boa notícia" se devem às reformas nas políticas laborais feitas pelo anterior Governo.

"É preciso tirar uma lição. As reformas estruturais e estratégicas produzem resultados e não devem ser abandonadas. Esperemos que os gritos daquelas bancadas não sejam tais que o primeiro-ministro as venha a adulterar", alertou, numa referência implícita às bancadas de BE, PCP e Verdes.

O primeiro-ministro respondeu que a criação líquida de emprego atual é "a maior desde 1998" e lembrou palavras do líder do PSD, Pedro Passos Coelho, de que a política do executivo socialista tinha conduzido, em meados de 2016, à destruição de postos de trabalho.

"Há aqui um problema lógico: as medidas foram tomadas antes deste Governo, depois houve destruição de emprego e agora houve criação de emprego não fruto da ação deste Governo mas do anterior?", questionou, defendendo que o atual Governo conseguiu provar que "fazendo o contrário" do modelo anterior de "baixos salários e destruição de direitos" conseguiu criar mais postos de trabalho.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.