sicnot

Perfil

País

Investigadores do Porto descobrem como levar as células cancerígenas ao "suicídio"

Heather Von St. James sobreviveu a um cancro do pulmão e mostra o R-X com a metade que resistiu.

Reuters Eric Miller

Investigadores do Porto descobriram uma forma de aumentar a resposta ao tratamento do cancro do pulmão através da inibição de uma proteína necessária para a divisão das células normais, o que leva à autodestruição das células cancerígenas.

"Quando as células de linhas celulares de cancro do pulmão são impedidas de produzir a proteína 'spindly', estas passam a responder de forma mais eficiente ao paclitaxel", um medicamento usado em quimioterapia, disse à Lusa o professor da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico Universitário (CESPU) Hassan Bousbaa, um dos responsáveis pelo projeto.

A função do paclitaxel é impedir o crescimento das células cancerígenas, uma vez que inibe a divisão celular, sendo aplicado em casos de cancro do pulmão, dos ovários e da mama, por exemplo.

Este estudo mostrou que a supressão da 'spindly' atrasa a saída mitótica (que se dá quando uma célula se divide mesmo na presença do fármaco que, em princípio, deveria inibir a sua divisão) e leva à autodestruição das células cancerígenas, quando tratadas com esse medicamento, explicou.

Sendo uma proteína necessária para a divisão das células normais, a sua supressão pode ter efeitos negativos, referiu o professor, acrescentando que o paclitaxel também tem, visto que interfere com a divisão celular normal. Espera-se", no entanto, que estes efeitos "sejam revertíveis no fim do tratamento".

Com este projeto os investigadores pretendem "dar uma nova vida aos medicamentos mais usados e com uma longa história de sucesso no combate ao cancro, mas aos quais algumas células do cancro conseguem adaptar-se e sobreviver", referiu Hassan Bousbaa.

O objetivo, continuou o professor, "é impedir esta adaptação, ajudando estes medicamentos convencionais a combater melhor as células do cancro".

De acordo com o responsável, esta a estratégia mostrou-se eficaz em células de cancro produzidas em laboratório, sendo o próximo passo o teste com animais, projeto que prevê iniciar em janeiro de 2018.

Este trabalho, cuja primeira autora é a investigadora da CESPU Patrícia Silva, foi cofinanciado pela Fundação para a Ciência e para a Tecnologia (FCT) e contou com a participação de Helena Vasconcelos, do IPATIMUP/i3S, do Porto, e de Álvaro Tavares, da Universidade do Algarve.

O estudo teve a duração de dois anos e foi publicado recentemente na revista científica Cancer Letters.

Lusa

  • Cancros do pulmão e pâncreas com o menor sucesso terapêutico

    País

    Os cancros do pulmão e do pâncreas são os que têm menor sucesso terapêutico e são, por isso, o maior desafio para os oncologistas, com Portugal a apresentar resultados muito bons, comparando com países europeus mais ricos e desenvolvidos. A análise é do oncologista José Luís Passos Coelho, anfitrião do Congresso Clínico Internacional Leaping Forward Oncology que, entre terça-feira e sábado vai reunir em Lisboa perto de 200 especialistas em oncologia, dos quais 140 estrangeiros e alguns dos mais conceituados especialistas mundiais.

  • Registo oncológico nacional começa a 1 de Janeiro de 2018
    0:58

    País

    O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, disse hoje que o registo oncológico nacional vai começar a funcionar a 1 de Janeiro de 2018. A base nacional vai agregar os dados dos registos oncológicos regionais, somar os novos casos de cancro e vai proceder à atualização anual do estado da doença.

  • Um em cada cinco pessoas desenvolve cancro da pele
    4:37

    Edição da Manhã

    Assinala-se hoje o Dia Europeu do Melanoma, um tumor maligno que é atualmente mais frequente nas mulheres entre os 25 e 29 anos. O Professor João Maia Silva, um dos maiores especialistas na área do cancro da pele, esteve na Edição da Manhã, no dia em que tem lugar o rastreio nacional gratuito.

  • Casos de cancro de pele aumentam em Portugal
    2:10

    País

    O cancro da pele está a aumentar em Portugal. Por ano surgem cerca de 12 mil novos casos. Para assinalar o Dia do Euromelanoma, mais de 40 serviços de dermatologia do país fazem hoje rastreios gratuitos.

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27