sicnot

Perfil

País

PCP, Verdes e CDS apresentam propostas contra violência e cyberbullying nas escolas

© Siegfried Modola / Reuters

O grupo parlamentar do PCP quer criar Gabinetes Pedagógicos de Integração Escolar, que combatam a violência, o 'bullying' e a exclusão, com CDS/PP e Partido "Os Verdes" a pedirem, também, medidas contra a violência nas escolas e na internet.

As propostas fazem parte de um projeto de lei (do PCP) e de dois projetos de resolução (CDS/PP e "Verdes"), que são hoje debatidos no plenário da Assembleia da República.

O projeto comunista de violência em meio escolar cria gabinetes nos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas do ensino básico e secundário, para nomeadamente promoverem o acompanhamento de alunos sinalizados, de integração e acompanhamento, mas também de combate ao abandono e insucesso escolar, exclusão e violência.

"Apresentamos uma proposta de uma intervenção estruturada, visando promover um efetivo combate aos fenómenos de indisciplina, violência, 'bullying' ou exclusão no interior da escola", afirma o documento do PCP.

Na mesma área, mas mais específico, o grupo parlamentar "Os Verdes" apresenta um projeto de resolução no qual a Assembleia da República recomenda ao Governo a contratação de mais psicólogos em contexto escolar, e a implementação de uma agenda "de informação e sensibilização sobre o 'cyberbullying', dirigida às comunidades escolares do ensino obrigatório", abrangendo alunos, pessoal docente, pessoal não docente e encarregados de educação.

Afirmando que o 'cyberbullying' (violência contra alguém através da internet) é um fenómeno na sociedade em geral, os "Verdes" visam no documento que cabe também aos serviços de saúde e às escolas, sensibilizar os jovens para os cuidados a ter e para a deteção preventiva de eventuais crimes.

Nas escolas, diz o grupo parlamentar, os professores "são agentes determinantes na deteção de problemas e na procura da sua solução", cabendo o acompanhamento aos psicólogos. As escolas são "um espaço relevante" para detetar e prestar auxílio nos casos de 'cyberbullying'. Também o CDS/PP considera "crítica" a promoção, designadamente junto das escolas, "de medidas de prevenção para o combate ao crime e à violência, particularmente o 'cyberbullying' e o cibercrime".

No projeto de resolução, os centristas propõem que o parlamento recomende ao Governo o bloqueio do acesso a sítios na internet e aplicações digitais considerados potencialmente perigosos ou impróprios para menores. E que desenvolva um programa anual para estudantes sobre ciber-segurança e cibercrime e sessões de informação nas escolas sobre a utilização segura da internet.

Os deputados centristas afirmam que a globalização virtual requer "cada vez mais e maiores cautelas" e medidas preventivas e "até repressivas", porque "a segurança deve ser uma das prioridades" no uso da internet, especialmente para crianças e jovens.

A cibercriminalidade, a violência e a criminalidade em contexto escolar são matérias relativamente novas, "mas em preocupante crescimento, que planos e ações concretas de sensibilização, formação e prevenção podem ajudar, e muito, a evitar", diz o documento do CDS/PP.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28