sicnot

Perfil

País

BE critica Governo por candidatar Lisboa para acolher Agência Europeia do Medicamento

HUGO DELGADO

A líder do BE criticou esta terça-feira a opção do Governo em candidatar Lisboa para acolher a Agência Europeia do Medicamento (EMA), considerando "perigoso" o argumento apresentado pelo primeiro-ministro de "conveniência da proximidade" a outras instituições.

"Eu julgo até que se devia decidir que Lisboa não era a melhor opção e depois olhar para as outras cidades do país que estão em condições do fazer, seguindo exemplos de outros países que não concentraram as agências europeias nas capitais, pelo contrário, diversificaram e com isso incentivaram a uma melhor distribuição no território do investimento, conhecimento, emprego, etc", afirmou Catarina Martins, em Guimarães, à margem de uma visita a um bairro social.

Segundo a coordenadora bloquista a escolha de candidatar a capital do país para acolher a EMA demonstra "centralismo", apontando ainda o dedo ao argumento apresentado por António Costa.

"Acho que é perigoso dizer que uma agência deve ficar num sítio porque esse sítio já tem duas ou três coisas e vai ter mais quatro ou cinco. Isso significa que, em última análise, tudo ficará concentrado sempre nos mesmos sítios, é o centralismo, Portugal já um país centralista demais", referiu Catarina Martins.

Numa carta dirigida ao presidente da Câmara do Porto na quinta-feira, e hoje divulgada, o primeiro-ministro aponta a "conveniência da proximidade do Infarmed" como justificação para candidatar Lisboa, e não o Porto, a acolher a sede da EMA, que deve abandonar Londres com a saída do Reino Unido da União Europeia.

O presidente da Câmara do Porto, o independente Rui Moreira, revelou na reunião camarária de 16 de maio ter escrito ao primeiro-ministro a "mostrar o interesse" em acolher a sede da EMA.

Na sessão do executivo de hoje, Rui Moreira adiantou ter recebido a resposta na segunda-feira.

Na missiva, o primeiro-ministro revela que o Governo estudou "a possibilidade de candidatar as cidades de Lisboa e Porto" à EMA, tendo duas razões conduzido "à opção por Lisboa".

Costa cita na carta "a conveniência da proximidade do Infarmed, agência nacional do medicamento" e o facto de "ser fator de preferência a existência de Escola Europeia, que só Lisboa poderá vir a ter, beneficiando da sinergia da preexistência de outras agências europeias".

De acordo com António Costa, estas outras agências instaladas em Lisboa permitiriam "alcançar o número mínimo de funcionários das instituições europeias necessárias para a instalação da Escola".

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.