sicnot

Perfil

País

PSD acusa Governo de "corte brutal" no Serviço Nacional de Saúde

(Arquivo)

TIAGO PETINGA

O PSD acusou esta quarta-feira o Governo de fazer um "corte brutal" no investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e os partidos de esquerda de serem cúmplices da "agonia para que caminha o sistema público de saúde".

"O facto é que o Governo fez um corte brutal no investimento público no SNS", afirmou o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, no encerramento a uma interpelação ao Governo sobre políticas de saúde.

Para o PSD, a esquerda "que outrora se fingia preocupada com o SNS", é agora "cúmplice da agonia para que caminha" o sistema público de saúde.

Para os sociais-democratas, tem havido uma contradição entre "o discurso político do Governo e dos seus acólitos e a realidade dos factos".

"Continuaremos fiéis aos princípios do Estado social, cientes de que os portugueses merecem um Governo sério, patriótico e não a troika alegre de Costa, Catarina e Jerónimo. Portugal precisa de um Governo sério e patriótico, mas não de esquerda", disse Luís Montenegro no final da sua intervenção.

O ministro da Saúde respondeu ao PSD indicando que "um Governo sério e responsável é mais provavelmente um Governo de esquerda do que de direita".

Adalberto Campos Fernandes lamentou ainda que o PSD tenha agendado uma interpelação ao Governo sobre política de saúde tendo-se centrado a "discutir lateralidades".

Para o PSD, a atual política de saúde pode descrever-se em três D: descontrolo, desinvestimento e desespero".

Descontrolo na execução orçamental e nos pagamentos em atraso e desespero no corte de 35% com a aquisição de profissionais de saúde contratados a empresas.

Campos Fernandes devolveu à oposição os três D atribuídos pelo PSD, considerando que houve descontrolo na forma como foi organizado a interpelação de hoje ao Governo e desespero pela "estabilidade política" que existe.

Lusa

  • Redução nas contratações de médicos tarefeiros abrange todo o SNS
    1:38

    País

    O Ministério da Saúde enviou esta quinta-feira para as administrações dos hospitais um novo despacho a dar conta de que, afinal, os cortes de 35% na despesa com a contratação de médicos tarefeiros não são para ser aplicados por cada um dos hospitais, mas sim no Serviço Nacional de Saúde como um todo. O despacho, assinado pelo secretário de Estado, surge depois de críticas de que a redução poderia pôr em causa o funcionamento de alguns hospitais.

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC