sicnot

Perfil

País

PSD acusa Governo de "corte brutal" no Serviço Nacional de Saúde

(Arquivo)

TIAGO PETINGA

O PSD acusou esta quarta-feira o Governo de fazer um "corte brutal" no investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e os partidos de esquerda de serem cúmplices da "agonia para que caminha o sistema público de saúde".

"O facto é que o Governo fez um corte brutal no investimento público no SNS", afirmou o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, no encerramento a uma interpelação ao Governo sobre políticas de saúde.

Para o PSD, a esquerda "que outrora se fingia preocupada com o SNS", é agora "cúmplice da agonia para que caminha" o sistema público de saúde.

Para os sociais-democratas, tem havido uma contradição entre "o discurso político do Governo e dos seus acólitos e a realidade dos factos".

"Continuaremos fiéis aos princípios do Estado social, cientes de que os portugueses merecem um Governo sério, patriótico e não a troika alegre de Costa, Catarina e Jerónimo. Portugal precisa de um Governo sério e patriótico, mas não de esquerda", disse Luís Montenegro no final da sua intervenção.

O ministro da Saúde respondeu ao PSD indicando que "um Governo sério e responsável é mais provavelmente um Governo de esquerda do que de direita".

Adalberto Campos Fernandes lamentou ainda que o PSD tenha agendado uma interpelação ao Governo sobre política de saúde tendo-se centrado a "discutir lateralidades".

Para o PSD, a atual política de saúde pode descrever-se em três D: descontrolo, desinvestimento e desespero".

Descontrolo na execução orçamental e nos pagamentos em atraso e desespero no corte de 35% com a aquisição de profissionais de saúde contratados a empresas.

Campos Fernandes devolveu à oposição os três D atribuídos pelo PSD, considerando que houve descontrolo na forma como foi organizado a interpelação de hoje ao Governo e desespero pela "estabilidade política" que existe.

Lusa

  • Redução nas contratações de médicos tarefeiros abrange todo o SNS
    1:38

    País

    O Ministério da Saúde enviou esta quinta-feira para as administrações dos hospitais um novo despacho a dar conta de que, afinal, os cortes de 35% na despesa com a contratação de médicos tarefeiros não são para ser aplicados por cada um dos hospitais, mas sim no Serviço Nacional de Saúde como um todo. O despacho, assinado pelo secretário de Estado, surge depois de críticas de que a redução poderia pôr em causa o funcionamento de alguns hospitais.

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28