sicnot

Perfil

País

Porto só terá apresentado proposta para receber EMA na véspera da decisão dos ministros

Hannah Mckay

A Câmara do Porto só terá apresentado a proposta para receber a Agência Europeia do Medicamento na véspera do Conselho de Ministros tomar uma decisão. É o que garantem à SIC fontes do Governo, que confirmam também que o primeiro-ministro preferia, de facto, o Porto.

António Costa entendia que a escolha poderia trazer benefícios para a cidade, que não são comparáveis com aqueles que Lisboa terá se vier a ser escolhida. A começar pelas vantagens que se sentiriam desde logo no aeroporto Sá Carneiro.

Costa terá sido depois forçado a mudar de opinião, quando Bruxelas fez saber que Portugal só teria hipóteses reais se a candidata fosse Lisboa. Ainda assim, a capital está longe de ser favorita na corrida.

Barcelona e Estrasburgo são apontadas como as cidades mais bem colocadas para receber a sede da Agência do Medicamento.

  • Costa ainda não falou sobre candidatura à Agência Europeia do Medicamento
    2:01

    País

    Fontes do Governo garantiram à SIC que António Costa defendeu a candidatura do Porto para a sede da Agência Europeia do Medicamento. No entanto, para a comissão de avaliação, Lisboa oferecia mais garantias. O presidente da Câmara do Porto diz que nunca foi contactado pela comissão. Já o primeiro-ministro disse que falaria sobre o assunto depois da visita oficial ao Chile, o que ainda não aconteceu, uma vez que António Costa chegou esta quinta-feira a Portugal, mas ainda não comentou a polémica à volta do tema.

  • Costa defendeu Porto, Rui Moreira diz estar surpreendido
    2:06

    País

    Fontes do Governo garantem que António Costa defendeu a candidatura do Porto para a sede da Agência Europeia do Medicamento. No entanto, para a comissão de avaliação, Lisboa oferecia mais garantias. Em comunicado, o presidente da Câmara do Porto disse que nunca foi contactado pela comissão.

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.