sicnot

Perfil

País

Militar português morreu em ataque terrorista no Mali

Reuters TV

Um militar português ao serviço da missão da União Europeia no Mali morreu na sequência de um ataque terrorista ocorrido domingo, nas imediações de Bamako, anunciou hoje o Estado-Maior General das Forças Armadas.

Última atualização às 12:12

Um segundo militar português "saiu ileso deste ataque", que ocorreu no domingo pelas 16:00, no Hotel Le Campement Kangaba, nas imediações de Bamako, segundo um comunicado divulgado pelo Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

Segundo o comunicado, o local onde ocorreu o ataque, Hotel Le Campement Kangaba, "é reconhecido e autorizado pela Missão de Treino no Mali - ao serviço da qual estava o militar - como Wellfare Center entre os períodos de atividade operacional dos militares que prestam serviço naquele país.

Um inquérito "no sentido de esclarecer as circunstâncias que envolveram o ataque terrorista em Bamako" já foi instaurado, adiantou o EMGFA.

"Encontravam-se no local vários militares da Força Internacional de diversos países, entre os quais dois portugueses. Mais se informa que o segundo militar Português saiu ileso deste ataque", refere o EMGFA.

Lusa

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35