sicnot

Perfil

País

PAN propõe reforço de arborização com espécies autóctones

O partido Pessoas, Animais e Natureza (PAN) propôs hoje que um terço da área de projetos de plantação de eucalipto seja dedicada à rearborização com espécies autóctones.

Na sua intervenção no debate do estado da Nação, no parlamento, André Silva fez a pergunta retórica ao primeiro-ministro, António Costa: "porque continuam as florestas a arder?"

A resposta deu-a de seguida, com a afirmação de que "a floresta não é uma prioridade" e lembrou a proposta de lei do Governo que "visa aumentar a produção de eucalipto, sem aumentar áreas é verdade, mas ocupando os terrenos mais férteis do país".

Em alternativa, o PAN propõe que "nos projetos de plantação de eucalipto, pelo menos 1/3 da área seja dedicada à rearborização" com espécies autóctones.

André Silva criticou a estratégia de passa-culpas, ouvindo "a esquerda dizer que os problemas do país são consequências das políticas da direita, e a direita a responder que até outubro de 2015 Portugal era um agradável jardim".

Na resposta, rápida e telegráfica, o primeiro-ministro, António Costa, rejeitou a leitura do PAN quanto à proposta florestal e admitiu abertura para discutir o assunto.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.