sicnot

Perfil

País

Pedrógão e Tancos fragilizaram Governo

Sondagem

Pedrógão e Tancos fragilizaram Governo

É a opinião de mais de metade dos portugueses, revelada no estudo da Eurosondagem para a SIC e o Expresso. O Executivo ficou fragilizado na sequência do incêndio de Pedrógão Grande e do roubo de material militar em Tancos. 

As últimas semanas foram o momento mais difícil para o Governo desde que entrou em funções. Quem o admitiu recentemente foi o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares. Mas a avaliar pelos resultados do estudo feito pela Eurosondagem, o pior não foi assim tão mau.

Questionados sobre se a ministra da Administração Interna se devia ter demitido, 49,7% dos portugueses responde que não.

A mesma tendência verifica-se noutro caso: 43% dos inquiridos diz que o ministro da Defesa também não devia sair do Governo - isto, apesar de um quinto das pessoas ter optado pelo "não sei ou não respondo".

Apesar das primeiras respostas darem aparentemente motivos para sorrir a António Costa, o mesmo não se aplica a todas, já que a maioria - 55,2% - considera que o Governo saiu fragilizado na sequência dos incêndios e do roubo de material militar.

Talvez seja por isso que 52,4% dizem que o Governo devia ser remodelado. Uma resposta dada ainda antes de o primeiro-ministro ter mexido em várias Secretarias de Estado. Foram alterações feitas a seguir a umas férias que para 44,8% dos portugueses não deviam ter sido interrompidas, mas 40,5% acha o contrário e diz que António Costa devia ter retomado a chefia do Governo.

As instituições do Estado envolvidas no incêndio de Pedrógão Grande e no furto de Tancos continuam a ter a mesma confiança de 56,5% dos portugueses.

O estudo da Eurosondagem para a SIC e jornal Expresso foi realizado nos dias 10,11 e 12 de julho. O erro máximo da amostra é de 3,1%.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15