País

Bastonária inicia reuniões por todo o país sobre falta de nutricionistas no SNS

Alex Brandon

A bastonária da Ordem dos Nutricionistas inicia hoje, em Lisboa, uma série de reuniões pelo país que pretendem alertar para a falta destes destes profissionais no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Alexandra Bento disse à agência Lusa que as reuniões vão decorrer até novembro, para "conhecer a realidade profissional dos nutricionistas", tendo escolhido como tema os "nutricionistas no Serviço Nacional de Saúde", que são "escassos".

A bastionária fará visitas a vários centros hospitalares e ao agrupamento de centros de Saúde da Arrábida, em Setúbal, justificando que não poderia visitar "grandes centros de Saúde, porque não têm nutricionistas".

As visitas terão início na zona de Lisboa e Vale do Tejo e continuarão nas regiões norte e centro, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira, num total de 40 instituições.

Para Alexandra Bento, é oportuno iniciar as visitas em Lisboa, uma vez que existem "menos nutricionistas numa zona geográfica densamente povoada", o que se torna "difícil de compreender", destacando que, nos cuidados de saúde primários, existem apenas sete profissionais para mais de três milhões de utentes.

A Alexandra Bento acrescentou que o Governo tem repetido "incessantemente" que há hoje mais 8.480 profissionais no SNS do que em 2015, mas nenhum é nutricionista.

As 40 vagas que estão previstas no Orçamento do Estado, são aguardadas "com expectativa", sendo que no ano passado "esteve previsto abrir concurso para 55 nutricionistas e não abriu por ter sido chumbado pelo Ministério das Finanças".

Alexandra Bento considera que o número de nutricionistas no SNS é "manifestamente insuficiente", contando apenas com 416, ficando muito "aquém do necessário".

A bastonária admite que, no decorrer das visitas, vai encontrar algum descontentamento, que procurará solucionar após o levantamento.

O levantamento da realidade profissional dos nutricionistas que pretende dar a conhecer, de forma aprofundada, o seu contexto real de trabalho, inicia-se com uma reunião com o presidente da Administração regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, Luís Pisco.

Lusa

  • Vem aí uma nova redução do sal, açúcar e gorduras
    2:11

    País

    O Governo pretende reduzir o sal e o açúcar na comida para combater problemas como a diabetes e a hipertensão. As negociações com a indústria alimentar devem arrancar já em fevereiro. Sobre a taxa das bebidas açucaradas, a Ordem dos Nutricionistas diz que a verba resultante devia ter sido aplicada em campanhas de prevenção.

  • Consumo excessivo de sal é um dos maiores problemas de saúde pública
    2:42

    País

    Depois de ter caído o chamado "imposto da batata frita", as Ordens dos Médicos e dos Nutricionistas lamentam uma oportunidade perdida a favor da saúde dos portugueses. O parlamento eliminou esta proposta, que previa um imposto sobre o sal, com o apoio do PSD e a abstenção do PCP. O CDS travou esta taxa dizendo que não é com impostos que se alteram hábitos alimentares. No entanto, o excesso de sal é um dos maiores problemas de saúde pública no país.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.

  • "Eu disse 'seria' quando queria dizer 'não seria'"
    1:34