sicnot

Perfil

País

"São demasiados indícios de aldrabice"

Entrevista na íntegra

"São demasiados indícios de aldrabice"

Manuela Moura Guedes foi convidada da Edição da Noite desta quarta-feira. A jornalista, que foi uma voz muito crítica de José Sócrates, no tempo em que este ainda era primeiro-ministro, acabou por ser acusada de lhe fazer uma perseguição pessoal, o que levou ao seu afastamento da televisão. Manuela Moura Guedes considera que "há nove anos já havia mais do que indícios" para acusar Sócrates e diz mesmo que "são demasiados indícios de aldrabice para que alguém não se interrogue". Afirma ainda que "o país inteiro foi cúmplice", diz que "o regime democrático esteve em perigo" e refere que o PS "agora tem medo que a coisa rebente". A jornalista falou também sobre o flagelo da corrupção e a atual situação do país no panorama político.

Estas foram algumas das frases que marcaram a entrevista:

"Há nove anos já havia mais do que indícios"

"O país inteiro foi cúmplice"

"Jamais contrataria uma jornalista (Fernanda Câncio) que não consegue perceber todos aqueles indícios"

"A comunicação social, a opinião pública e o Parlamento ignoraram os indícios"

"São demasiados indícios de aldrabice para que alguém não se interrogue"

"O regime democrático esteve em perigo"

"José Sócrates conseguiu controlar aquilo que é essencial na democracia: a Justiça"

"A aceitação por parte do país durante nove anos é assustadora"

"O PS agora tem medo que a coisa rebente"

"Tenho medo que queiram pôr os patins a Joana Marques Vidal"

"As pessoas devem saber quem nos governa"

"O sentimento de injustiça nunca vai acabar"

"A redação da TVI era muito complicada, tinha de esconder tudo"

"Nunca mais fiz jornalismo, eu não posso fazer jornalismo"

"Há tanta coisa para investigar, basta levantar uma ponta"

"Este sistema eleitoral está gasto"

"As coisas funcionam em função do partido, nunca em função do país"

"O Estado não pode estar metido na economia"

"Não tenho uma visão otimista sobre a atual situação do país"

  • "Tenho medo que queiram pôr os patins a Joana Marques Vidal"
    0:42

    País

    Manuela Moura Guedes desafia o Ministério Público a abrir uma investigação sobre a atuação de Pinto Monteiro, o Procurador-Geral da República durante os mandatos de José Sócrates. Em entrevista à SIC Notícias, a jornalista diz ainda ter medo que afastem Joana Marques Vidal do cargo.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC