País

Ciclo de conferências sobre Marte no CCB a partir de outubro

O Centro Cultural de Belém, em Lisboa, recebe a partir de outubro um ciclo de conferências mensais sobre Marte, em que cientistas vão abordar questões como a procura de vida e a sobrevivência no planeta durante uma missão tripulada.

O ciclo "Marte 2030", que irá decorrer até janeiro do próximo ano, inclui quatro palestras a cargo de investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, do Instituto Superior Técnico e do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, que irão interagir com o público, refere uma nota informativa da organização.

A iniciativa começa em 13 de outubro como uma sessão sobre a procura de vida em Marte e as razões que levam o homem a enviar missões tripuladas ao 'planeta vermelho', o quarto do Sistema Solar e onde os cientistas têm encontrado sinais de água em estado líquido, condição essencial para haver vida tal como se conhece.

Duas outras sessões, em 17 de novembro e 15 de dezembro, têm como enfoque os "desafios tecnológicos e fisiológicos" que terão de ser superados numa viagem a Marte, na estada e no regresso a Terra e as "formas de sobreviver" no planeta, "desde a produção de alimentos ao consumo de recursos materiais e energéticos".

Marte, ao contrário da Terra, é um planeta inóspito, sem campo magnético, que é um escudo contra a radiação solar. Uma viagem de ida e volta ao planeta 'vermelho', com a atual tecnologia, demorará cerca de dois anos, tempo que engloba a permanência no planeta, necessária para recolher dados e aguardar pela melhor 'janela de oportunidade' para voltar à Terra.

A agência espacial norte-americana NASA pretende enviar astronautas a Marte em 2030, o milionário e patrão da construtora de automóveis elétricos Tesla e da empresa aeroespacial SpaceX, Elon Musk, mais cedo, em 2024.

O ciclo "Marte 2030" termina em 12 de janeiro de 2019 com uma incursão por outros planetas, os que, ao contrário de Marte e Terra, estão fora do Sistema Solar e dos quais já foram descobertos milhares.

Vários são promissores, dado que estão localizados a uma distância da sua estrela que lhes permite ter eventualmente água em estado líquido.

Todas as palestras, que se realizam sempre a um sábado, serão seguidas por observações do céu com telescópio se a meteorologia o permitir.

"Marte 2030" é uma iniciativa conjunta do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier e Centro Cultural de Belém.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16