País

Parlamento aprova louvor pelo resgate nas grutas de Chiang Rai

Armando Franca

O parlamento aprovou esta quinta-feira, por unanimidade, um voto de louvor do PSD pelo sucesso na missão de salvamento do grupo de 12 jovens e seu treinador de futebol que estiveram presos numa gruta em Chiang Rai, na Tailândia.

"Em três operações faseadas conseguiu-se retirar todo o grupo da gruta, dando por bem sucedida a missão no passado dia 10. Infelizmente o sargento Saman Kunan, mergulhador da Marinha Real Tailandesa, perdeu a sua vida durante as operações de resgate", lamenta-se no texto do voto.

Para o PSD, "além da coragem das equipas de mergulhadores, destacou-se a bravura dos próprios jovens para suportar as privações durante mais de duas semanas, bem como do treinador, que, de acordo com os relatos, terá recusado comida para que as crianças pudessem ter acesso a todos os alimentos que as equipas lhes trouxeram enquanto esperaram o resgate".

"A Assembleia da República, reunida em plenário, louva todo o trabalho incansável das equipas de salvamento que conseguiram resgatar os 12 jovens e seu treinador de futebol nas grutas de Chiang Rai na Tailândia, louva a resiliência dos resgatados e presta a sua homenagem às equipas de salvamento e entidades oficiais tailandesas", lê-se ainda no voto apresentado pela bancada social-democrata.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16