Assalto ao Castelo

Angolanos politicamente expostos investiram no GES através do Dubai

Hoje no Jornal da Noite

Angolanos politicamente expostos investiram no GES através do Dubai

No terceiro episódio da série "Assalto ao Castelo", emitido esta sexta-feira no Jornal da Noite, revelamos uma troca de correspondência entre o Banco de Portugal e a DFSA, a autoridade de supervisão bancária do Dubai, congénere do Banco de Portugal. Através dessa correspondência ficamos a conhecer os contornos da associação entre duas geografias – Luanda e Dubai – ao escândalo BES/GES.

A troca de cartas entre as duas entidades começou em 2010. A última carta de que temos registo data de 2013.

Na colaboração efetiva e permanente que se estabeleceu entre as duas entidades (BdP e DFSA) ao longo desses três anos, o supervisor português ia sendo surpreendido com revelações que davam à filial do BES no Dubai, ES Bankers Dubai (ESBD) uma dimensão no universo BES muito maior do que aquela que o Banco de Portugal supunha.

A troca de correspondência é, também, uma troca de informações. Em 2012, a DFSA revela receios sobre a identidade e o estatuto dos clientes da filial do BES no Dubai e disso dá conta aos interlocutores portugueses. É neste âmbito que o Banco de Portugal fica a saber que, em 2011, 60 por cento dos ativos da filial do BES eram controlados por angolanos politicamente expostos ao poder de José Eduardo dos Santos. Nesse ano, quatro deles aplicaram 750 milhões de dólares no ESBD; a maior fatia, 500 milhões, teve as empresas do Grupo Espírito Santo (GES) por destino.

Em 2012, a DFSA dá conta de tudo isto ao Banco de Portugal. Na última carta, o supervisor do Dubai pergunta diretamente ao regulador português se estava em curso algum processo contraordenacional à entidade dona do ESBD, a Espírito Santo Financial Group. Os sinais de branqueamento de capitais eram já demasiado evidentes.

Na resposta que deu à SIC, o BdP esclarece que a supervisão das filiais dos bancos portugueses em matéria de terrorismo e branqueamento de capitais é da exclusiva competência dos reguladores locais.

  • Assalto ao Castelo - Episódio 1
    25:54

    Grande Reportagem SIC

    Que papel teve afinal o Banco de Portugal no caso BES? O regulador sabia e não agiu a tempo? O poder de Ricardo Salgado terá ofuscado a atuação da supervisão? O Banco de Portugal omitiu informações aos deputados da Comissão de Inquérito ao BES? Quatro perguntas a que os três episódios da Grande Reportagem da SIC tentarão dar resposta. Aqui revelamos dois documentos que começam a levantar o véu sobre os segredos do Banco de Portugal.

  • Assalto ao Castelo - Episódio 2
    32:16

    Grande Reportagem SIC

    No segundo episódio da Grande Reportagem "Assalto ao Castelo", revelamos um relatório do BPI que esteve, até hoje, na penumbra. Carlos Costa recebeu-o em 2013 e despachou-o para o seu vice a 1 de agosto de 2013 que, por sua vez, o despachou para o departamento de supervisão nesse mesmo dia. Nesse relatório, o BPI reúne documentação sobre o estado das finanças do GES. De acordo com esses dados, o grupo de Ricardo Salgado estava falido desde 2011. O que fez o Banco de Portugal? É a pergunta que se impõe.

  • Benfica promete queixa-crime contra quem divulgou contratos de Castillo e Ferreyra
    1:26

    Desporto

    Um blog divulgou na internet os valores dos contratos de dois dos reforços do Benfica, Castillo e Ferreyra. O clube da Luz promete agir judicialmente contra quem divulgou estas informações. A SIC sabe que devido à gravidade dos factos a Liga de Clubes está a considerar suspender os funcionários da instituição até que este caso seja esclarecido.

  • Donald Trump envolvido em mais uma polémica
    1:49
  • Caminhada de 20 quilómetros até ao trabalho valeu um carro

    Mundo

    Quando o carro de Walter Carr deixou de funcionar um dia antes do primeiro dia de trabalho numa empresa de mudanças, ele não desistiu nem ligou a dizer que ia faltar. Saiu de casa à meia-noite e fez mais de 20 quilómetros a pé para chegar a horas. No final recebeu uma recompensa.

    SIC