sicnot

Perfil

Era uma vez em África

Era uma vez em África

HOJE NA SIC

Esta semana, o Jornal da Noite da SIC apresenta-lhe a série "Era uma vez em África". São muitos os que nasceram e viveram nas antigas colónias portuguesas e que guardam memórias da vastidão e beleza de Angola, Moçambique, Guiné, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe (territórios que, no seu conjunto, eram vinte vezes o tamanho de Portugal). Neste ano em que se assinalam os 40 anos da sua independência, abrimos o baú para uma série de quatro reportagens sobre memórias da era colonial que ficaram registadas em cartas, filmes, fotografias e livros.

Episódio 1: Cartas

​Na primeira reportagem, vamos descobrir uma série de cartas reveladoras da angústia que as famílias viviam por causa da guerra colonial onde combateram mais de um milhão de  soldados portugueses. Ao longo dos 13 anos que durou a guerra, muitos rapazes escreviam ao Ministro do Exército, pedindo para não serem mobilizados. Mas eram muitos mais os que se ofereciam para ir combater e"defender a Pátria". As cartas, escritas há 50 anos, foram descobertas pela SIC num arquivo e são uma revelação histórica inédita.


Episódio 2: Cinema   

Durante o Estado Novo, nenhum filme podia ser exibido no cinema sem passar antes pelo crivo da censura. Três filmes sobre Angola e Moçambique acabaram por ser proibidos: um sobre cerimónias de iniciação sexual nas tribos angolanas, outro sobre a modernidade de Lourenço Marques e outro que contava a história de uma violação numa quinta em Moçambique. Os filmes estiveram guardados durante 40 anos nos cofres da Cinemateca e nunca foram vistos pelo grande público.


Episódio 3: Fotografia

Um olhar diferente sobre a guerra colonial, através da câmara de Luís Corrêa de Sá, um jovem alferes que levou uma "Leica" para Angola e fotografou o dia a dia do seu batalhão: não só cenas de vivência militar, mas também as negras com quem os soldados namoravam, os banhos no rio e outros divertimentos com que os soldados afugentavam o medo e a saudades.


Episódio 4: Livros

A terminar a série vamos recordar algumas memórias coloniais,  através da biblioteca de Daniel Nunes, um bibliófilo que comprou o seu primeiro livro há 60 anos e hoje possui uma das melhores bibliotecas do mundo sobre África portuguesa. São 40.000 livros disputadíssimos por historiadores, colecionadores de raridades e caçadores de tesouros e onde podemos encontrar desde histórias da escravatura, à maravilhosa rainha Ginga ou curiosidades como a "História da preta Fernanda", que escreveu um diário com o desempenho sexual dos seus  amantes.
  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32