sicnot

Perfil

Grande Reportagem Interativa

Quem é Ana Borges?

O futebol sempre a atraiu. Lembra-se de trocar tudo por uma bola desde que se conhece. Um dia, de calças de ganga e botas, fez um treino na Fundação Laura Santos. Nunca mais abandonou a modalidade. Hoje, Ana Borges é uma uma peça imprescindível da Selecção e do Chelsea. Pela equipa das quinas soma mais de 100 internacionalizações. Já no Chelsea, é uma das estrelas e recentemente ganhou o Campeonato e a Taça de Inglaterra.

NOME: Ana Catarina Marques Borges
NATURALIDADE: Guarda
DATA DE NASCIMENTO: 15 de Junho de 1990
ALTURA: 1,60m
PESO: 54 KG
CLUBE ATUAL: Chelsea Fc
CAMISOLA SELEÇÃO: 9
POSIÇÃO SELEÇÃO: Avançado
Dados e Estatísticas na Seleção:
Internacionalizações: 78 (Seleção A); 27 (SUB-19)
Minutos jogados: 6492 (Seleção A); 2219 (SUB-19)
Golos Marcados: 9 (Seleção A); 5 (SUB-19)
Cartões Amarelos: 6 (Seleção A); 2 (SUB-19)
Cartões Vermelhos: 0

Ana Borges - um autorretrato
“Tudo começou quando eu tinha os meus 9 anos e comecei a sair de casa para jogar com os rapazes num ringue perto de casa. Na altura a minha mãe não gostava e então aproveitava para ir jogar quando ela estava no trabalho e sempre que chegavam as 17h00 ia a correr para casa e fazia de conta que estava a estudar. Há medida que os anos foram passando ela deu-se conta e a certa altura (já eu andava na preparatória), mal chegava a casa da escola, atirava a mochila e ía a correr jogar. Claro que, muitas vezes ela ia atrás de mim e fazia-me voltar para casa. Um dia fui abordada por uma companheira, agora da Seleção, para ir para uma equipa feminina, a Escola de Oeiras e eu respondi-lhe que não queria jogar numa equipa, até porque nem sabia que existia campeonato, seleção distrital e muito menos seleção nacional de futebol feminino. Eu queria apenas jogar com os rapazes. Continuei a jogar com eles e no desporto escolar, até que um dia um vizinho me levou a um treino da Fundação D. Laura dos Santos. No início estava um bocado com o pé atrás, mas mal toquei na bola e a jogar com as outras raparigas e já não quis voltar para casa. Joguei de botas e calças de ganga! Naquele momento tive a certeza que queria estar e ficar na Fundação e foi onde comecei a jogar aos 13 anos. Nesse ano tudo corria bem e fui chamada à seleção distrital da Guarda. Mais motivos tinha eu para 'sonhar'. Lembro-me que era a mais nova e muito pequenina de cabelo curto. No 2º ano na Fundação tive o azar de ter uma rotura de ligamentos e fiquei 1 ano sem jogar. Não podia ser operada, estava a crescer...mas depois regressei mais forte e sem pensar no ano menos bom que tinha passado. Continuei mais 3 anos na Fundação. Fomos campeãs distritais e no último subimos à 2ª divisão nacional onde eu já não tive a oportunidade de jogar porque foi o ano em que surgiu a 1ª oportunidade de ir para o estrangeiro. Antes disso, lembro-me que o ano anterior fui chamada à seleção nacional. Éramos mais de 30 atletas na 1a concentração. Depois houve uma fase de qualificação para o europeu na Turquia e nunca pensei ser chamada até porque apenas podiam ficar 18 jogadoras e muitas ingressavam em equipas do campeonato nacional. Depois de vários treinos fui selecionada. Nunca se esquece a 1ª internacionalização – a minha foi na Turquia. A seguir recebi um convite para ir para o Zaragoza em Espanha. Na altura falei com várias pessoas porque o futebol era tudo para mim e os meus pais queriam certificar-se que era o melhor para mim. Andava eu no 10º ano a tirar desporto. Tinha 17 anos e decidi aceitar. Pensei que poderia não voltar a ter aquela oportunidade e os estudos poderiam esperar. Tive 5 anos em Espanha. O 1º ano foi muito difícil, estava longe de tudo e de todos. Confesso que havia noites que chorava, mas tentava sempre que fosse sem ninguém por perto. Fazia-me de forte mas depois lá me habituei e 'aprendi' a estar sem os que mais queria. Depois do Zaragoza tive no Blue Heat, na Califórnia. Uma experiência fantástica, num país aparte de todos e com pessoas muito hospitaleiras! Graças a isso e aos 5 anos que tinha estado no Zaragoza (uma equipa que andava sempre a meio da tabela), acreditei mais em mim e achei que era o momento de arriscar numa equipa grande. Achei que podia dar esse passo e que estava preparada para tal. Foi quando surgiu o Atlético de Madrid. Pelo meio houve outras equipas interessadas em mim, como foi o caso do Barcelona. Nunca se concretizou porque tinha contrato com o Zaragoza e eles não me soltavam. Acabei por aceitar o Atlético porque já tinha outros objetivos e as condições eram outras, mas não monetariamente. Achei que era ali que iria ficar por algum tempo e tudo corria bem até que a meio da época e com a mudança de treinador a minha opinião mudou consideravelmente, e comecei a perder aquela vontade que tinha pelo futebol. Achava que não valia a pena estar longe da família e dos meus amigos. Foi quando surgiu uma proposta do Liverpool. Eu tinha conhecimento que era uma grande equipa, campeãs e com participação na Liga dos Campeões. Entusiasma qualquer jogadora, mas ao mesmo tempo pensei que era um risco enorme ir para lá. Foi então que surgiu o Chelsea. Sendo uma equipa em crescimento e com objetivos definidos, e estavam a dar os 1os passos na 1ª divisão e isso agradou-me. Nunca gostei de dar grandes passos, sempre fiz as coisas com calma e no momento certo. O 1º ano no Chelsea quase que ganhava o campeonato. Perdemos por 1 golo, mas foi o Liverpool campeão. Nunca me arrependi da minha escolha! No ano passado fui campeã inglesa e ganhámos a Taça de Inglaterra. Joguei pela 1ª vez na Liga dos Campeões. É por estes momentos que vale a pena esperar tanto tempo, arriscar e deixar tudo e todos! Posso dizer que o futebol já me deu muitas coisas, óbvio que nem tudo é um mar de rosas, mas já fui a muitos países, já conheci muitas pessoas, tive e tenho o privilégio de jogar pelo meu país, e penso que sou uma sortuda porque há muitas meninas que queriam estar no meu lugar e isso ajudou-me e ajuda-me a superar todas as saudades e todos os obstáculos. Dizem que no futebol não se está para fazer amizades, mas eu acho que no meio do futebol feminino o mais importante que eu levo são certas amizades até porque financeiramente nunca vamos ter a vida feita e um dia isto acaba. Eu sou feliz por fazer o que gosto e por ter uma família que me ajuda e se orgulha Apesar da distância, já são 9 anos fora”.

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • "Avançámos em primeiro lugar com incentivos às empresas"
    18:07

    Economia

    O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar do que pode ser feito depois da tragédia dos incêndios que assolou o país na última semana. O governante diz que já avançou com incentivos às empresas afetadas e que neste momento o mais importante é preservar a segurança das pessoas.

    Entrevista SIC Notícias

  • Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado debates com as bases do PSD
    0:40

    País

    Pedro Santana Lopes lamenta que Rui Rio tenha recusado a realização de debates com as bases do partido. Fernando Negrão, responsável pela candidatura de Santana Lopes à presidência do PSD, já tinha advertido em comunicado que a posição de Rui Rio poderia também inviabilizar quaisquer outros frente a frente, incluindo os organizados pela comunicação social. Santana Lopes está na Guarda, no primeiro jantar com apoiantes desde que anunciou a candidatura.

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Gémeas correm risco de vida se não saírem de Gaza

    Mundo

    Duas irmãs gémeas siamesas correm risco de vida enquanto permanecerem em Gaza. Quem diz é o médico Alam Abu Hamba, do Hospital de Shifra, que garante que "situação complicada" das meninas não pode ser tratada por médicos no território costeiro, atulamente bloqueado pelo Egito e por Israel. Abu Hamba espera que o casal de gémeas possa ser transferido para fora da separação.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC