sicnot

Perfil

perdidos e achados.png

Perdidos e Achados

SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

Perdidos e Achados

Senhor dos Passos

Há quase 430 anos que os fiéis de Lisboa seguem, sem interrupções, o Senhor dos Passos. A procissão de Quaresma é precursora de outras devoções em Portugal e no mundo. Remonta a 1587, um ano depois da instituição da Real Irmandade da Santa Cruz e dos Passos, com sede numa capela onde, depois do grande terramoto, foi construída a atual igreja da Graça.

Procissão dos Senhor dos Passos em 1950

Procissão dos Senhor dos Passos em 1950

Procissão do Senhor dos Passos, 67 anos depois.

Procissão do Senhor dos Passos, 67 anos depois.

Em 1950, milhares de fiéis percorreram as ruas da Graça para cumprir a tradição. Ainda não havia televisão em Portugal e a procissão ficou registada num filme reencontrado agora pela SIC, um retrato de Lisboa em meados do século XX, marcada por um catolicismo de devoções emocionadas e manifestações públicas. Em Perdidos e Achados, reencontramos também gente que se surpreende ao rever-se há 67 anos...


A procissão do Senhor dos Passos em Lisboa tem hoje o Presidente da República entre os devotos. A deste ano realizou-se antes da tomada de posse. A SIC cruzou-se com o chefe de estado "eleito" junto à Igreja de São Domingos, entre fiéis que rezavam na passagem dos andores do Senhor dos Passos e de Nossa Senhora da Soledade. Marcelo Rebelo de Sousa participou na procissão "quando era criança" e garantiu que vai continuar a participar em manifestações públicas de fé, "a título pessoal". Não sendo Portugal um estado confessional, "todos os que têm responsabilidades podem exercer a sua liberdade religiosa", explicou.
Em 1950, ainda como consequência dos conturbados anos da implantação da república, os andores saiam para um curto percurso apenas nas ruas da Graça. Os "passos" desta caminhada recordam hoje paixão de Cristo do Chiado à Graça passando no Rossio.
Quando, no século XVI, Lisboa viveu o exacerbar do preconceito religioso, uma cultura de segregação acendeu no Largo de São Domingos as chamas do ódio. Mais de 500 anos depois, o local é ponto de encontro multicultural, turístico e passagem para a procissão da fé maioritária, em tempo de Quaresma, ao lado do monumento que assinala o massacre de judeus.

Jornalista: Joaquim Franco

Repórter de Imagem: Nuno Fróis

Edição de Imagem: Jorge Costa

Produção: Madalena Durão

Coordenação: Pedro Mourinho

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite