sicnot

Perfil

Reportagem Especial

A saúde da Galilei

O British Hospital é o ativo com mais destaque na Galilei Saúde

Está em marcha um negócio que pode lesar os interesses do Estado em, pelo menos, 6 milhões de euros. São de novo os fantasmas do BPN que não param de atormentar a saúde financeira do país.

A história começa com o grupo Galilei, o conjunto de empresas que integravam a SLN, a holding proprietária do BPN.

Quando o banco foi nacionalizado, a holding que o detinha permaneceu em mãos privadas. Os acionistas, alguns coveiros do banco, mudaram-lhe o nome para Galilei.

A maioria das empresas do universo estava descapitalizada, porque lhes faltou o banco que as financiava. Mas havia um setor rentável, a saúde.

A Galilei saúde gera lucros de 2 milhões de euros por ano, que a empresa mãe, a Galilei, absorve integralmente. Resultado: um setor saudável entrou em agonia.

A Galilei saúde deve 34 milhões de euros. A maior fatia dessa dívida, 22 milhões, pertence à Parvalorem, o grupo empresarial do Estado que gere o lixo tóxico do BPN.

De nada serve à Galilei Saúde ser rentável, porque a ligação à Galilei transformou-a numa empresa doente.

Os gestores da Galilei Saúde conseguiram convencer os credores a aceitar um plano especial de revitalização, um PER, que o tribunal aprovou.

A empresa entrou, na prática, num processo de venda.

Esta reportagem especial retrata o mistério da empresa em agonia que, de repente, se tornou demasiado atrativa para 6 candidatos à compra.

É aqui que entra o Estado, ou seja, a Parvalorem. A Parvalorem decidiu vender o crédito à melhor oferta. E quem controlasse o crédito da Parvalorem, controlaria a empresa.

O problema é que a Parvalorem pode não ter vendido à melhor oferta. A empresa do Estado acabou a fazer contrato com um fundo belga, detido por 3 empresários sem ligações à saúde. A venda foi feita abaixo do preço… E, de repente, o Estado pode ter perdido 6 milhões de euros.

Reportagem: Pedro Coelho

Imagem: Jorge Oliveira e Luís Pinto

Edição de imagem: Ricardo Tenreiro

Grafismo: Fernando Ferreira

Produção Editorial: Diana Matias

Coordenação: Marta Reis

Direção: Ricardo Costa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.