sicnot

Perfil

Reportagem Especial

A saúde da Galilei

O British Hospital é o ativo com mais destaque na Galilei Saúde

Está em marcha um negócio que pode lesar os interesses do Estado em, pelo menos, 6 milhões de euros. São de novo os fantasmas do BPN que não param de atormentar a saúde financeira do país.

A história começa com o grupo Galilei, o conjunto de empresas que integravam a SLN, a holding proprietária do BPN.

Quando o banco foi nacionalizado, a holding que o detinha permaneceu em mãos privadas. Os acionistas, alguns coveiros do banco, mudaram-lhe o nome para Galilei.

A maioria das empresas do universo estava descapitalizada, porque lhes faltou o banco que as financiava. Mas havia um setor rentável, a saúde.

A Galilei saúde gera lucros de 2 milhões de euros por ano, que a empresa mãe, a Galilei, absorve integralmente. Resultado: um setor saudável entrou em agonia.

A Galilei saúde deve 34 milhões de euros. A maior fatia dessa dívida, 22 milhões, pertence à Parvalorem, o grupo empresarial do Estado que gere o lixo tóxico do BPN.

De nada serve à Galilei Saúde ser rentável, porque a ligação à Galilei transformou-a numa empresa doente.

Os gestores da Galilei Saúde conseguiram convencer os credores a aceitar um plano especial de revitalização, um PER, que o tribunal aprovou.

A empresa entrou, na prática, num processo de venda.

Esta reportagem especial retrata o mistério da empresa em agonia que, de repente, se tornou demasiado atrativa para 6 candidatos à compra.

É aqui que entra o Estado, ou seja, a Parvalorem. A Parvalorem decidiu vender o crédito à melhor oferta. E quem controlasse o crédito da Parvalorem, controlaria a empresa.

O problema é que a Parvalorem pode não ter vendido à melhor oferta. A empresa do Estado acabou a fazer contrato com um fundo belga, detido por 3 empresários sem ligações à saúde. A venda foi feita abaixo do preço… E, de repente, o Estado pode ter perdido 6 milhões de euros.

Reportagem: Pedro Coelho

Imagem: Jorge Oliveira e Luís Pinto

Edição de imagem: Ricardo Tenreiro

Grafismo: Fernando Ferreira

Produção Editorial: Diana Matias

Coordenação: Marta Reis

Direção: Ricardo Costa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05