sicnot

Perfil

Sociedade das Nações

A comunidade de Santo Egídio

A comunidade de Santo Egídio é um influente movimento internacional de laicos, com mais de 50 mil membros em todo o mundo, que tem liderado a resolução de conflitos. Mediaram a paz em Moçambique, na Argélia, na Colômbia, e querem agora ajudar também à reconciliação na Síria. Santo Egídio abre ainda uma representação em Portugal e propõe um plano concertado e ordenado de acolhimento de refugiados.

Numa altura em que a Rússia começa uma campanha de defesa de Bashar al Assad,o presidente da comunidade, Marco Impagliazzo, explica no Sociedade das Nações de que forma a organização tem acompanhado o conflito e a crise dos refugiados. Impagliazzo sublinha a necessidade de se trabalhar para a construção da paz e lembra que os ideais europeus assentam no princípio da solidariedade.

A Comunidade de Santo Egídio é uma organização católica fundada em 1968 no bairro de Trastevere, em Roma, Itália, dedicada à caridade, evangelização e promoção da paz. Fundada por Andrea Riccardi, também é conhecida como "a pequena ONU do Trastevere" pela dedicação aos pobres.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras