sicnot

Perfil

Vizinhos

Vizinhos: A Haia de Siza multicultural

DOCUMENTÁRIO COMPLETO

Vizinhos: A Haia de Siza multicultural

Quando Álvaro Siza foi convidado a intervir no bairro de Shilderswijk em Haia, nos anos 80, metade da população era holandesa e a outra metade era imigrante. Hoje , mais de 90% dos habitantes de Shilderswijk têm as origens mais diversas, de dezenas de países. Turcos, marroquinos, paquistaneses, originários do Suriname, da Índia, etc. Álvaro Siza conheceu essa diversidade. Esteve na casa de uma familia angolana que há mais de 10 anos vive no bairro e encontrou-se com um refugiado sírio recentemente chegado a uma casa projectada por Siza.

A visita a Shilderswijk em Haia é um dos quarto documentários da série “Vizinhos” que acompanha Álvaro Siza também no Porto, Berlim e Veneza onde desenvolveu projetos de habitação social. Os documentários estão em exibição no Pavilhão de Portugal na Bienal de Arquitetura de Veneza até Novembro de 2016.

  • Vizinhos: A revolução e as casas de Siza na Bouça
    38:13

    Vizinhos

    Álvaro Siza entra no Bairro da Bouça, no centro do Porto e é reconhecido e cumprimentado por novos e velhos. “O senhor arquiteto é como se fosse uma pessoa da familia!”. A exclamação de Amélia Castro é extensiva a muitos dos que habitam no bairro social da Bouça desde finais da década de 70.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.